quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Dentro de uma zona aberta pensa uma mão embriagada...




Eis duas cadeiras que ardiam nos seus lugares, rindo alto, tecendo-se dentro da minha ideia desvairada...
«...A razão louca, leve, de cor púrpura, reluzindo como uma alucinação que embriaga. Num lugar que transborda. Calcina. A fulguração enlaça-se no orgão macio, o espamo faz-se rodar. Sôfrego na sua potência cega de feixe orbital...»

*foto retirada da net

1 comentário:

Curiosa disse...

bom te ler ... gostei ... abraço pra você ...