sábado, 4 de dezembro de 2010

NO ÂMBAR DA MINHA ESCRITA



A minha escrita escapa-se do meu lado para o outro, sob os meus dedos, onde flutua uma constelação de palavras com labaredas a mergulhar, no teu rosto rápido e atento.
As minhas palavras tocam cada silêncio teu. A minha loucura é um alimento que te fala durante o sono, de um canto fundo e claro que se funde nos meus dedos, que escrevem.
Na testa fervente, cerrada á volta da escrita, as tuas mãos enxutas de labaredas sustentam um nu abismo, a (minha) constelação que palpita na tua imagem de raízes carnais. Onde desemboca em voz alta o meu fôlego, completamente vivo.
O braço num rasgão de ar, convulso, na mão que ateia a escrita( de carne rude)
Os olhos diamantes, os pensamentos torcidos em garras.Baixas. Amantes!...
As palavras são fogo, nus meus braços, numa selva implantada no meio da minha mente, estancada entre o meu sexo, o fundo da noite, e um buraco forte. Num pensar. Meu!...
O fogo da minha escrita, arrasta serpente, feroz e impaciente. Aberto, descoberto. No centro, por fora de uma paisagem, por onde eu escrevo tão depressa...

3 comentários:

Lena Seiça Neves disse...

Luisa claro que não li tudo ,mas o que li agrada-me.
A sua maneira de escrever é fantástica!
O jogo que faz com as palavras é magnífico.
Parabens e felicidades para esse seu percurso de escritora.
Um abraço

São Rosas disse...

E as saudades que eu já tenho de te ver por "lá"...

Luiz Sommerville disse...

Luísa:

Neste ano que está prestes a findar, li muito menos do que aquilo que em circunstãncias normais teria lido ! Ainda assim , foi-me concedida a graça de ler os teus textos e de os ter como companhia preciosa.
Muito grato pelos inolvidáveis momentos de leitura que a tua escrita me proporcionou.
Parabéns!!
Faço votos que o NOVO ANO seja fértil em tudo o que é bom , para ti e todos os que amas e te amam.

Sê feliz!

Luiz