sexta-feira, 29 de abril de 2016

A liberdade do foda-se impresso à cortesia de um texto(essa ferramenta) inicia-se sempre tão calmamente. Paz. Depois, vem a opressão em matilha independentemente do que opila a pila, ou do que uma vulva cobiça à fissura da porta. A tormenta atormentada, a gramatica em pose clandestina numa mão bem segura. Então, contagia-se uma única palavra que se repete todas as vezes que calca a pena à terra. E precisam ver o quanto ela grita enquanto a procuramos e a forçamos entre os dois fechos redondos, um cheio indomável, indomável, indomável. E ela, demorada, a, apressar-se, apressar-se, apressar-se, fazendo com que o tudo inche rebente ou dilate.

luísa demétrio raposo

No cardápio, um prato de tripas. Merda. Merda. Nas bermas do escarro há pessoas que perturbam, o nome da raça.
Todos os relógios são horários de merda, horas e horas de merda, reunidos para manter a violência da merda, à qual a existência obriga-me a agarra-la com duas mãos.
O mundo deveria ser a eterna cópula, resolveríamos todas as distancias e a vivência entre o sexo que vive de sangue eriçado, se decidíssemos passar somente a foder, em desespero do céu, da boca, fora e dentro, por todo o lado o dia inteiro, e dizer não a um esgoto que jamais será saciado.


Luísa Demétrio Raposo

quarta-feira, 13 de abril de 2016

álea


A carne a essência elevada que ergue a precisão em desespero do céu. O sexo, o deus paralelo ao prazer, um verbo possante. O corpo após corpo a oferecer guarida ao coito. A seiva franca nada-lhe ao ouvido na dupla que os dedos anseiam. Um pénis, Astro. Quero esconde-lo, primeiro na boca, depois entre os seios, esconde-lo a meio lodo e fornicar em desespero, com força e sem ponta de vergonha, alcatroando-o até ao ultimo empurrão em que a imagem eclode e a sombra cheia enegrece inteiramente os pentelhos desgrenhados.
Luísa Demétrio Raposo
in pássaros de ferro


terça-feira, 12 de abril de 2016

soçobrar

Ela,
a vulva e cujo nome normalmente é interdito, o sexo acontece a todos os instantes constantemente ao gotejar a monstruosidade da água em cenário obsceno. E eu nunca antes tinha visto tanta água a mergulhar nos polegares, e não é obsessivamente só água. É sobretudo um lacre em fuga ao fosso onde o desequilíbrio arde, arde, arde e por vezes ama até sangrar.
Um pénis na abertura é sempre um perigo tamanho o sexo que lhe sai pela boca, a tormenta em milhares de milhões de cr
iaturas que me são invisíveis. A biologia a percorrer as zonas calvas e que voltam a desaparecer e que pragueja em albugíneas entre as virilhas, essas grandes palavras em chamas que sôfrega e salgada, a língua de escrita aperta contra estreito, em gula.


Luísa Demétrio Raposo
in pássaros de ferro



*photo by James Wigger

domingo, 10 de abril de 2016

pássaros de ferro

A inocência está toda no sexo, o sol, a estrela caída que ilumina a realidade em cruéis deslaces, na grácil que a poesia simples descanta. A vulva, acre e austera, apenas uma janela com vista ao pôr-do-sol. Nuvens a horizonte. O sexo, um trovão. O nome, não se diz. Entre as duas, longas ancas, cuja boca se dilui nas labaredas do longo vestido encarnado, em apertadas margaridas.

Luísa Demétrio Raposo
in pássaros de ferro


sexta-feira, 8 de abril de 2016

"Um pénis deve cravar-se sempre onde há uma agonia, e enterra-lo e deixa-lo lá a demolir sem ininterrupção, a espancar a romper trilho entre os astros, já que no extremo acha-se o universo e no outro a terra, deve morrer dentro e rezar fora."



Luísa Demétrio Raposo








"O clitóris, o astro, um pénis, sinónimo de interminável até mesmo para o próprio sexo. A carne sacerdotisa perpendicular à tempestade incerta e descalça do fogo, ele é o grande xamã, a homenagem à terra, o poema orgânico cujo sangue pulsa e repulsa unificando o ritmo ao cosmo. "

Luísa Demétrio Raposo




quinta-feira, 7 de abril de 2016

O Livro da Papoula


A editora Livros de Ontem tem o prazer de lhe apresentar O livro da Papoula, o sexto livro da autora Luísa Demétrio Raposo.

(…) A papoula é a memória erógena aonde se revela recôndita a intimidade em tudo o que se une além corpo e só é distinguível na exaltação que se sente através de desequilíbrios dispersos onde o meu e teu infinito acontecem, e de onde se erguem internas as carnes libidinosas e as curvas dilatam o sangue vermelho e, crua mente, desatam a visão que pulsa convertendo a vulva em um só clarão… lá aonde o pénis é grande, forte e duro e na estridência indefinível de um rude luar, morre ao exprimir-se bem a meio das pernas e na mais agraz e abrasadora narração, o sémen.(…)

Livros de Ontem tem o prazer de o convidar a participar na publicação desta obra através do seu contributo que, neste caso, funciona como uma pré-compra do livro e lhe dá acesso a ofertas únicas e exclusivas como a inclusão do seu nome impresso nos agradecimentos

Para mais informações e saber como pode  contribuir para a publicação desta obra, no link,
http://ppl.com.pt/pt/livros-de-ontem/livro-da-papoula



NOTA: O livro terá o valor de 10€ durante a campanha de crowdfunding e de 12€ após o fecho da mesma.
Escolha o pacote de recompensas que desejar e descubra todas as ofertas exclusivas que temos para si!

1ª edição limitada a 200 exemplares
Todos os exemplares são numerados e assinados.

*Ao publicar os seus livros através de Crowdpublishing, a Livros de Ontem tem a oportunidade de apostar em novos autores, de arriscar novos conceitos e desafios, de melhorar a qualidade das suas leituras e de remunerar melhor o trabalho dos escritores.
Assim, a Livros de Ontem não faz qualquer lucro directo das suas campanhas de Crowdpublishing. Todos os fundos angariados são destinados à produção dos livros e à melhoria da sustentabilidade da nossa operação.

Obrigado por fazer parte deste processo e nos ajudar a melhorar a publicação de livros em Portugal.